W. Dias garante que investimento não será sacrificado por 'déficit zero'

O ministro se alinha a outros membros do governo que defendem uma abordagem mais flexível em relação à meta estipulada na LDO

Avalie a matéria:

Por Fabrício de Freitas

O ministro do Desenvolvimento Social (MDS), Wellington Dias (PT-PI), expressou seu apoio à posição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que manifestou resistência à meta de déficit fiscal zero para 2024 durante uma coletiva de imprensa no Palácio do Planalto. Em entrevista, Dias se alinha a outros membros do governo que defendem uma abordagem mais flexível em relação à meta estipulada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

A discussão centraliza-se no equilíbrio entre a necessidade de manter as contas públicas em ordem e a importância de fomentar investimentos para impulsionar o crescimento econômico. O ministro reconhece os benefícios de um país com finanças equilibradas, como a redução do risco e das taxas de juros. No entanto, ele ressalta a importância de continuar combinando investimentos públicos com o setor privado para fortalecer a economia.

Dias destaca que Lula compreende a necessidade crucial de promover o crescimento econômico, argumentando que isso não só gera receita, mas também contribui para o equilíbrio das contas públicas. Ele sublinha o impacto multiplicador na economia de programas sociais, como habitação, e salienta que investimentos em áreas como saúde e saneamento ajudam a reduzir as despesas governamentais.

Apesar da preocupação com o equilíbrio fiscal, o ministro ressalta que Lula não está disposto a sacrificar investimentos essenciais para estimular o crescimento. Ele enfatiza a necessidade de manter a estratégia de combinar investimento público com o privado para criar um ambiente propício ao desenvolvimento.

Foto: Roberta Aline/MDS

Quanto ao Bolsa Família, Dias promete reduzir a fila de candidatos para cerca de 300 mil famílias até o final do ano. No entanto, ele alerta que o benefício não será reajustado no próximo ano devido à queda nos preços dos alimentos observada recentemente.

O ministro reforça o compromisso do governo em combater a fome e a pobreza, alinhando-se aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Ele expressa o desejo de retirar o Brasil do mapa da fome até 2026, reconhecendo os avanços significativos alcançados até o momento, com muitas famílias do Bolsa Família saindo da pobreza.

Por fim, Dias destaca a importância de considerar as necessidades das classes mais vulneráveis e da classe média ao discutir políticas sociais, como a possível redução de impostos sobre a cesta básica. Ele argumenta que é fundamental garantir que os preços dos alimentos permaneçam acessíveis, especialmente para as camadas mais necessitadas da população.

Para mais informações, acesse MeioNorte.com

Leia Mais
Veja Também
As opiniões aqui contidas não expressam a opinião no Grupo Meio.


Tópicos
SEÇÕES