Há contraindicações? Dentistas tiram 6 dúvidas sobre próteses dentárias

Os especialistas Antônio Torres e Sérgio Ourique respondem questionamentos mais comuns sobre o assunto

Avalie a matéria:
Imagem ilustrativa de próteses dentárias | Reprodução/Internet

Cuidar dos dentes é ideal para uma saúde dentária e também para elevar a autoestima. No entanto, a perda de dentes é o segundo fator que mais prejudica a qualidade de vida de pessoas entre 45 e 70 anos, segundo uma pesquisa que ouviu 600 latino-americanos, incluindo 151 brasileiros. 

Conforme o estudo, no Brasil, 39 milhões de pessoas usam próteses dentárias. E claro, não faltam dúvidas sobre o assunto. Em entrevista ao Meio News, os dentistas Antônio Francisco Torres (especialista em implantodontia e prótese dentária) e Sérgio Ourique (mestre e doutor em prótese dentária) explicaram alguns pontos em relação ao uso. Confira:

QUAIS SÃO OS TIPOS DE PRÓTESES EXISTENTES?

Segundo o dentista Antônio Torres existem as próteses fixas e móveis. As próteses fixas podem ser feitas unitárias, sobre raiz de dentes danificados, ou sobre raízes artificiais, que chamamos de implante.

“Assim também como as próteses fixas, múltiplas. Elas podem ser múltiplas sobre dentes, múltiplas sobre implante e ainda podem ser as próteses dentogengivais, que são próteses que repõem o dente e a gengiva, quando há uma perda muito grande”, explica.

QUAL PRÓTESE É CONSIDERADA A MELHOR?

O especialista reforça que as próteses móveis têm uma eficiência mastigatória menor, em torno de 30%, em comparação com as próteses fixas. 

“O grande problema da fixa é que você tem que desgastar, às vezes, dentes saudáveis, para poder confeccionar essa prótese. Mas ela é uma prótese rápida, que tem uma boa eficiência e que tem uma aparência estética muito boa”, diz.

Já as próteses sobre implante não carecem de nenhum desgaste, elas são fixadas no osso, onde foram perdidos os dentes.

Próteses dentárias fixas e móveis são opções para o paciente. Foto: Reprodução

QUANDO A PRÓTESE É INDICADA?

“A prótese é indicada, via de regra, quando se perde estrutura, ou de um dente único, ou de alguns dentes, que precisam ser repostos”, explica o dentista Sérgio Ourique.

“Há contraindicações? Não. A intenção é restaurar toda a dinâmica mastigatória, levando a uma condição de normalidade”, afirma. 

DO QUE SÃO FEITAS AS PRÓTESES?

Dr. Ourique explica que existe uma gama muito grande de materiais que usamos para fazer as próteses e que depende muito da indicação, e do espaço temos para colocar as próteses. 

“São diversos materiais, desde metal ao mais tradicional, até as novas porcelanas e porcelanas híbridas, que são os materiais de última geração”, diz. 

COMO É FEITA A MANUTENÇÃO?

A pessoa deve ir ao dentista pelo menos uma vez a cada seis meses. E a manutenção também é feita em casa, com a escovação e com a higiene doméstica. Se a prótese está bem instalada, foi bem planejada e está bem colocada no lugar, o paciente pode ter vida normal e comer sem medo, pois ela irá fazer parte da sua vida e do seu organismo.

“A prótese dura à medida que você tiver uma higiene legal, tiver um cuidado com ela e com sua saúde bucal. Então, as visitas periódicas, a higienização, o tipo de dieta, tudo isso influi na longevidade de uma prótese. Uma prótese bem feita, com bons materiais e cuidado do usuário, pode durar de 10 a 30 anos”, afirma.

PRÓTESES REMOVÍVEIS 

O especialista reforça que as removíveis são próteses muito fáceis de serem usadas, quando bem planejadas e bem executadas. Elas servem para recolocar um dente faltante ou vários dentes de uma maneira bastante econômica e eficiente. 

“Em relação à prótese total, também é a mesma coisa, depende de como vai ser usada, depende da dieta do paciente e dos cuidados na higienização. Elas devem passar por uma revisão criteriosa pelo profissional, no máximo de três a cinco anos, para algum tipo de ajuste”, explica.

Veja Também
Tópicos
SEÇÕES